2022 World Final

17-21 October, Tenerife (Spain)

Ele há cada uma! Que hipóteses há de, em pleno Campeonato da Europa de futebol da UEFA, jogar-se golfe no Campeonato do Mundo de Empresas, ao lado de – e contra – um dos heróis da seleção[Lince1]  nacional e ainda ganhar o torneio e garantir-se a qualificação para a Final Nacional Audi do World Corporate Golf Challenge (WCGC) em Portugal?

Bem, as chances são escassas, até porque o referido ídolo do futebol nacional é comentador televisivo de futebol, poderia perfeitamente estar escalonado para comentar o Suécia-Eslováquia que era transmitido a essa hora na SportTV e, para mais, foi-lhe marcado para essa tarde a vacinação contra a COVID-19.


Se acrescentarmos a toda esta improbabilidade o facto de a competição ter decorrido no prestigiado Montado Hotel & Golf Resort que, dois meses antes, recebeu os Campeonatos Internacionais Amadores de Portugal (feminino e masculino) e que, poucos dias depois, acolheu as qualificações portuguesas para os Campeonatos da Europa a nível amador, percebemos que a situação é ainda mais especial.

Pois bem, foi tudo isso que sucedeu a Bernardo Paes de Vasconcelos e a Tiago Costa quando, no passado dia 18, chegaram ao Montado Resort e souberam que iriam jogar ao lado de Rui Coelho, e de… Ricardo Pereira, sim, esse Ricardo Pereira, o “sem luvas”, que a 24 de junho de 2004 defendeu um penalti frente à Inglaterra e depois marcou outro para levar Portugal às meias-finais do Euro disputado no nosso país. 


Este emparelhamento não poderia ter sido mais feliz por parte da Golftattoo Eventos, a entidade que, desde 2020, detém os direitos de representação e organização do WCGC em Portugal.

O certo é que, 18 buracos depois, a equipa da Belmar foi a grande campeã do torneio do Montado e qualificou-se para a Final Nacional Audi do WCGC de 2021, por ter sido a melhor na classificação net, enquanto o conjunto n.º1 da Garofalo apurou-se igualmente para a grande cimeira marcada para o West Cliffs em Óbidos (a 31 de julho), graças ao triunfo na classificação gross.

O regulamento do WCGC é claro: a classificação net (que apura 4 equipas) prevalece sobre a gross (que qualifica apenas uma), mas o sistema de pontuação, que conta com os resultados com os dois jogadores de cada equipa, proporciona resultados interessantes, na medida em que tanto podem ganhar jogadores de handicaps (hcp) elevados como praticantes de elite.

Aliás, se verificarmos a classificação net, que, teoricamente, favorece hcp altos, no top-5 das equipas há cinco jogadores num total em dez de “single digit”, com destaque para o ex-futebolista que quase poderia ser profissional e competiu com um hcp médio de 0,0!

«Não estávamos nada à espera de qualificar-nos para a Final Nacional, pela simples razão de que não sabíamos que havia uma vaga para o melhor do gross», disse Rui Coelho, habituado a ganhar torneios amadores com Ricardo Pereira, mas também com outro dos seus amigos do futebol, o “campeoníssimo” Luís Figo.

Ricardo Pereira e Rui Coelho foram vice-campeões mundiais de empresas em 2015 e, no ano passado, venceram uma das etapas qualificativas do WCGC Portugal, no Algarve, ao serviço e outra empresa patrocinadora, a Turkish Airlines.

«Já fomos vice-campeões do Mundo, quase todos os anos ou ganhamos uma etapa ou estamos entre os primeiros, e mesmo quando não nos qualificamos para a Final Mundial somos convidados para jogar aquele torneio paralelo porque somos amigos do José Guerra (o responsável mundial do WCGC)», frisou Rui Coelho que admitiu uma certa superstição.

«Temos uma relação especial com a Raquel Silva (um elemento da organização). Sabemos que se a virmos antes de irmos jogar é um bom sinal e voltámos a deparar-nos com ela antes de irmos para o campo», acrescentou o empresário português.


Superstições à parte, houve muito bom jogo por parte destas duas equipas vencedoras, que nem a chuva forte, quase de trovoada, que caiu durante cerca de 15 minutos, foi capaz de travar.

Se nos determos apenas na classificação net houve 27 jogadores entre um total de 58 a somarem 30 ou mais pontos e o melhor de todos foi Tiago Costa com 38 pontos, logo seguido do seu parceiro Bernardo Paes de Vasconcelos com 37 pontos, os mesmos de José Henriques da JS Partners.  

Só houve sete das 29 equipas com os dois elementos a juntarem 30 ou mais pontos e as duas equipas vencedoras conseguiram-no. Já referimos os 38 e 37 pontos dos jogadores da Belmar, mas os dois atletas da Garofalo também adicionaram 35 de Ricardo Pereira a 32 de Rui Coelho respetivamente 35 e 25 em pontos gross).

Quem joga golfe sabe que ter parceiros, mesmo rivais, de jogo de qualidade tende a elevar o nível de rendimento e foi o que sucedeu, até porque os jogadores já se conheciam.

«É como jogar com amigos e isso torna o jogo mais tranquilo, num bom ambiente. Ele (Ricardo) já foi segundo classificado no Mundial, eu já fui terceiro classificado», sublinhou Tiago Costa.

«O Ricardo (hcp médio de 0,0) e o Tiago (hcp médio de 1,0) têm handicaps baixos e tanto eu como o Bernardo somos médios. Estávamos todos a um nível semelhante e empurrámo-nos mutuamente», elucidou Rui Coelho. 

«Este campo está sempre em boas condições. A principal variável é o vento. Ainda por cima, estava tudo ótimo , tudo bem organizado», afiançou Bernardo Paes de Vasconcelos.


As outras equipas qualificadas para a Final Nacional Audi no West Cliffs a 31 de julho foram a JS Partners, a Executive Digest (parceira media do evento) e a Powerhour Socontentores.

As equipas qualificadas e seus representantes foram as seguintes:

Pela classificação gross:

1.ª Garofalo, com 60 pontos, com Ricardo Pereira (35 pontos) e Rui Coelho (25).

Pela classificação net:

1.ª Belmar, com 75 pontos, com Tiago Costa (38) e Bernardo Paes de Vasconcelos (37).

2.ª JS Partners, com 72 pontos, com José Henriques (37) e Miguel Veiga Martins (35).

3.ª Executive Digest, com 68 pontos, com António Paulo Pinheiro (36) e Manuel Lopes da Costa (32).

4.ª Powerhour Socontentores, com 68 pontos, com Manuel Orlando Garcia (35) e João Lourenço Carvalho (33).

A tômbola online – uma novidade em 2021, com a parceria da Bee Engineering – atribuiu ofertas a 30 dos 58 participantes e houve ainda prémios especiais de habilidade (“skills”) para Lúcia Ballayer, Orlando Garcia, João Santos, Tiago Costa e Ricardo Pereira

O WCGC Portugal de 2021, a 28.ª edição mundial e a 22.ª nacional, iniciou-se em maio na Região Autónoma da Madeira, com o patrocínio da Associação de Promoção da Madeira, e prosseguiu agora em Palmela com o apoio da Garofalo. A terceira etapa qualificativa terá lugar no Axis Ponte de Lima Golf no próximo dia 26.

O Montado Hotel & Golf Resort já tinha sido o palco da Final Nacional no ano passado. Este ano haverá uma quarta qualificação no Morgado Golf Resort a 3 de julho , a Final Nacional Audi será a 31 de julho no West Cliffs em Óbidos e, entretanto, já se sabe que a Final Mundial será de novo no Oitavos Dunes, em Cascais, de 1 a 5 de novembro.

Hugo Ribeiro / Golftattoo

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Email