2022 World Final

17-21 October, Tenerife (Spain)

O Mundial de Empresas em Portugal estreou-se em 2021 no Santo da Serra e apurou quatro equipas para o West Cliffs em Julho.

O World Corporate Golf Challenge Portugal continua a inovar, mesmo na sua 22ª edição. Um ano depois de ter regressado à Região Autónoma da Madeira, numa altura de retoma da actividade económica nacional, mostrando que o combate à COVID-19 estava a ser bem dirigido e que era seguro jogar golfe no arquipélago, o circuito nacional do Mundial de Empresas transformou a Madeira na etapa inaugural de 2021 e duplicou o número de empresas apuradas para a Final de Julho.

Na época transata, o WCGC Portugal regressou à Madeira após um hiato de vários anos e foi a penúltima etapa de qualificação para a Final Nacional. Um ano depois, dado o inequívoco sucesso verificado, a Golftattoo Eventos, que desde o início de 2020 assumiu a representação do WCGC em Portugal, decidiu atribuir à Região Autónoma honras de abertura do circuito em 2021.

Participaram 60 golfistas de 30 equipas/empresas, um número que praticamente esgotou as inscrições. Em contexto de pandemia, por um segundo ano seguido, seria difícil pedir mais.

“Agradeço a adesão ao torneio que abre o circuito deste ano”, disse Pedro Castelo Branco, o director-geral do Grupo Golftattoo, na cerimónia de entrega de prémios. “E agradeço também ao Clube de Golf Santo da Serra pela forma como simpaticamente estamos a ser recebidos”, acrescentou o dirigente desportivo português que sublinhou o facto de “este ano haver uma estrutura maior do que no ano passado”.

A aposta superior do WCGC na Região Autónoma da Madeira teve reflexos no apoio da Associação de Promoção da Madeira – uma das novidades – e na duplicação do número de equipas apuradas para a Final Nacional, marcada para o dia 31 de julho, no West Cliffs, em Óbidos.

“A Associação de Promoção da Madeira associou-se, com muito gosto à realização desta etapa na Madeira do Circuito World Corporate Golf Challenge. Numa altura em que o mercado dá sinais de retoma, com a abertura de corredores aéreos para a nossa região de diferentes origens, e, perspetivando um Verão com bastante procura pelo nosso destino, sentimos que é importante fazer parte deste tipo de eventos que elevam a notoriedade do destino, em particular neste produto”, disse Nuno Vale, o diretor-executivo da APM. 

“Aliado a estes factores, acabámos de lançar uma nova marca que pretende reestruturar a comunicação de golfe no Destino Madeira – o Madeira Golf Passport. Resulta da criação de sinergias entre os três campos de golfe da Madeira e Porto Santo que são, desta forma, promovidos para o consumidor, através de uma nova imagem fortemente virada para um objetivo comercial, que acreditamos que irá simplificar e tornar mais acessível a prática de golfe em cada um destes locais. Este foi, aliás, o primeiro evento onde esta marca foi promovida”, acrescentou Nuno Vale.

Neste contexto, faz ainda mais sentido que o palco escolhido tenha sido de novo o Clube de Golf Santo da Serra, o campo que mais edições recebeu do Madeira Islands Open do European Tour, sendo, por isso, o mais reconhecido internacionalmente. 

“O WCGC é um excelente canal promocional a nível mundial para as empresas”, considerou Vítor Rodrigues, o diretor financeiro da ACIN iCloud Solutions, a equipa que esmagou a concorrência, ao ganhar as classificações net e gross do torneio.

Mas as novidades não se ficaram pela parceria com a Associação de Promoção da Madeira e pela duplicação de empresas qualificadas para a Final Nacional. 

Tendo em conta que o CGSS possui três trajectos de 9 buracos, este ano optou-se por não selecionar-se os habituais Machico e Desertas, optando pelo Serras e Machico. Uma decisão corroborada no dia seguinte pela Federação Portuguesa de Golfe que também escolheu os 9 buracos do Serras para organizar o seu Circuito Drive que contou com 42 jovens ente os 8 e 17 anos. 

Esse ambiente de, no mesmo fim-de-semana, coincidirem no deslumbrante CGSS empresários e jovens jogadores com sonhos de alta competição valorizou os dois eventos, bem como a promoção da Madeira como um destino turístico de golfe de eleição. 

Para ajudar à festa, as condições meteorológicas apresentaram-se de feição, com o sol a brilhar e o campo em excelentes condições. O vento fez-se sentir, como é habitual na altura do ano, mas o vento é essencial no CGSS para dificultar a tarefa aos golfistas.

As saídas fizeram-se em shotgun para que o convívio pós competição fosse o mais participado possível, mesmo com o distanciamento físico e demais normas sanitárias em vigor.

E no final foi a ACIN iCloud Solutions a triunfar, com 74 pontos net e 62 gross, batendo a Garofalo (empresa patrocinadora do circuito) por 4 pontos net e gross. 

A equipa vencedora foi composta por Vítor Rodrigues e Joaquim Gouveia, parceiros habituais de lides golfísticas, que, admitiram, treinaram um pouco mais antes da visita do WCGC à Madeira. 

“A primeira vez que jogámos foi no ano passado, mas sabíamos que o torneio era altamente competitivo, pelo que realizámos uns treinos extra”, admitiu Vítor Rodrigues, que contribuiu com 33 pontos net e 27 gross, enquanto o parceiro Joaquim Gouveia somou, respetivamente, 41 e 35. 

De acordo com o regulamento da prova, o promotor Pedro Castelo Branco explicou que “este ano qualificavam-se para a Final Nacional quatro equipas, três da classificação net e uma da tabela gross. Uma vez que o net prevalece sobre o gross, e tendo havido um empate em ambas as classificações nos dois primeiros lugares, a equipa apurada pela classificação gross foi a que ficou em 2º lugar”. 

“Não combinámos qualquer estratégia. Aliás, o combinado foi ‘se sair, saiu’. E assim foi, tivemos a felicidade de quando um parceiro estava menos bem, o outro compensava, o que foi dando ânimo à equipa”, explicou o director financeiro da “maior empresa tecnológica sediada na Região Autónoma da Madeira, dedicando-se ao desenvolvimento e gestão das plataformas acinGov, GTS, iMed, iGest, PayPay, iParque, iDok, etc., são 14 no total, com forte expansão a nível nacional e internacional”.

Após esta explicação, as formações apuradas para a Final Nacional foram as seguintes: 

1 – ACIN iCloud Solutions como 1.º net, com 62 pontos, 35 pontos de Joaquim Gouveia e 27 de Vítor Rodrigues;

2 – Garofalo como 2.º lugar gross, com 70 pontos, 37 de Miguel Tavares Jnr. e 33 de Bernardo Cação;

3 – Coral (ECM) como 3.º net, com 42 de António Spínola e 27 de Miguel Sousa;

4 – Reid’s Palace Belmond Hotel como 4.º net, com 38 de Elia Campus e 28 de Manuel Sousa. 

Curioso é o facto de duas destas quatro equipas apuradas fazerem questão de serem inscritas com a designação de Flinstones. 

Trata-se de um grupo de golfistas da ilha da Madeira que criaram uma coletividade em 1997 de membros que tinham em comum, na palavra dos próprios, “a pobreza do nível técnico evidenciado pelos atletas”, logo apelidados de “Flinstones” em homenagem à série de animação que passava na TV portuguesa e que remetia à vida básica nos tempos da idade da pedra. 

“Os Flinstones têm, de facto, uma enorme dinâmica, pois o sentimento único que nos une, a paixão pelo Golfe, proporciona momentos de grande convívio, entre amigos e família, que, sem dúvida, impulsiona a modalidade e torna-a mais competitiva. A nossa palavra de apreço aos Flinstones, na pessoa do estimado Jorge Abreu”, fez questão de salientar Vítor Rodrigues. 

Pois bem, os quatro Flinstones que irão à Final Nacional, não munidos de pedra lascada, mas de tacos de última geração tecnológica, são Vítor Rodrigues, Joaquim Gouveia, António Spínola e Miguel Sousa.

E a vontade é a de arrasar no West Cliffs, até porque, quem joga no Santo da Serra, não se amedronta com os ventos o Oeste do continente. 

“Ficámos entusiasmados, pois é um dos poucos eventos em que temos hipóteses de competir com elementos de outras nacionalidades. O nosso objetivo é desfrutar do campo na Final e, claro, daremos o nosso melhor para estarmos presentes no Mundial”, assegurou Vítor Rodrigues. 

Para além das quatro equipas/empresas vencedoras, houve ainda prémios especiais atribuídos a Carla Fernandes, José Sampaio, Diogo Gouveia, Ana Bento, José Sotero Gomes, Henrique Cunha. 

A próxima etapa de qualificação do WCGC será disputada no dia 18 de Junho no Montado Hotel & Golf Resort, em Palmela, com a etapa Garofalo.

Artigo redigido por Hugo Ribeiro/Golftattoo

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Email